Ministério da Agricultura proíbe a circulação de 6 marcas de azeite

Após uma investigação da Polícia Civil, supermercados devem retirar seis marcas de azeite de suas prateleiras até segunda-feira (08). Entenda o motivo a seguir.

Azeite de Oliva sendo despejado em uma tigela.
Fonte: Exame

Como o Ministério da Agricultura descobriu a fraude

Após abordarem um caminhão, no dia 12 de maio, os policiais civis questionaram o motorista do veículo sobre o conteúdo dos recipientes e o local de fabricação. O condutor do veículo de grande porte indicou que os produtos eram feitos em São Paulo. Quando conferiram as embalagens, os profissionais notaram que a fabricação indicava o país Portugal.

Os policiais, então, descobriram um galpão em Guarulhos/SP, onde o produto era fabricado. No local, foram encontradas garrafas com os seguintes rótulos: Oliveiras do Conde, Quinta Lusitana, Quinta D’Oro, Évora, Costanera e Olivais. 

De acordo com dados da Polícia Civil, os criminosos usavam óleo vegetal, aromatizantes e óleo lampante na composição do produto. Em relação aos nomes das marcas, os policiais disseram que eles escolhiam de forma aleatória. O Ministério da Agricultura considerou essas marcas impróprias para o consumo humano e alertou para que elas fossem retiradas de circulação.

De acordo com a Polícia Civil, oito estados do Brasil estão vendendo produtos dessas marcas. O delegado Milton Burgese de Oliveira disse que a equipe de polícia tem “algumas informações de que grandes redes da periferia estão vendendo produtos dessas marcas”. 

Além disso, afirmou que está “lutando contra o tempo para informar essas distribuidoras de que foram enganadas e caíram em um golpe ao comprar produtos falsificados”. 

O Ministério da Agricultura pediu que a quantidade de estoque do produto fosse informada. Disse, ainda, que os supermercados que, após a advertência, mantiverem os azeites dessas marcas nas prateleiras estarão sujeitos a pagar uma multa de R$ 5 mil por ocorrência, mais de 400% em cima do valor comercial do produto. 

Alerta ao consumidor 

O Ministério da Agricultura faz um alerta para os consumidores de azeite de oliva. Ele diz para desconfiarem de azeites muito baratos, entre os valores de R$ 7 a R$ 10. De acordo com o órgão, os azeites verdadeiros têm um preço superior a R$ 17. 

Em nota oficial, a Polícia Civil disse que vai informar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a falsificação do produto e pede para que os seus agentes façam a retirada desses produtos de circulação.

Written by 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *