Jair Bolsonaro tenta criticar decisão da Noruega e se engana postando vídeo dinamarquês

Semana passada, a Noruega anunciou que iria suspender o repasse de 300 milhões de coroas norueguesas para o Fundo Amazônia, o fundo de financiamento destinado à preservação da maior floresta tropical do planeta. O valor convertido equivale a R$ 133 milhões.

Nos últimos 10 anos a Noruega já repassou mais de R$ 300 bilhões para o fundo, se tornando a principal doadora. O presidente brasileiro reagiu à saída do país nórdico com o seguinte comentário: 

“A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a oferecer para nós. Pega a grana e ajuda a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha”. 

Jair Bolsonaro

Por causa dessa decisão, Jair Bolsonaro, cuja políticas ambientais tem se tornado alvo de críticas internacionais, atacou, novamente a Noruega, por meio da publicação de um vídeo em sua conta oficial do Twitter, no qual critica uma tradição norueguesa de caça a baleias.

Virando alvo de piadas na rede social, as imagens mostradas foram, na verdade, gravadas em uma ilha na Dinamarca. No vídeo, é possível ver caçadores encurralando um grupo de baleias para chegar à praia e, em seguida, são mortas com arpões, o que resulta em uma grande poça de sangue no mar.

O vídeo, analisado pela Agência Lupa, foi gravado nas Ilhas Faroé, um arquipélago dependente de Dinamarca e que fica no Atlântico Norte do país. O local é onde se realiza o festival Grindadráp, que é promovido pela comunidade nativa e se caça baleias.

Esta é a segunda vez que um país do Fundo Amazônia suspende o repasse para o projeto, por causa do crescimento da taxa de desmatamento. Com a Alemanha, o presidente também respondeu a decisão com sarcasmo: “Eu queria até mandar recado para a senhora querida Angela Merkel. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, tá ok? Lá tá precisando muito mais do que aqui.”

Questionado sobre a imagem que o Brasil pode ficar com os bloqueios anunciados pelos países europeus, Jair Bolsonaro afirmou que “A imagem péssima que o Brasil tinha era a subserviência a essas potências”.